Buscar

Tragédia no rádio. Mais um pedaço do meu livro...

Neste pedaço do livro lançado há 5 anos, falo sobre os comunicadores da Rádio Globo ...

Em uma história parecida com um conto policial, Waldir Vieira, um comunicador que vinha de São Fidélis teve o fim trágico com um romance fora do casamento.

Os ingredientes: um quarto de motel,

vazamento de gás e como amante, sua prima distante. Aumentando ainda mais a dor da família, morreu no dia do aniversário do filho, em novembro de 1985.

Não era possível essa tragédia para a Rádio Globo. Waldir era muito querido pelos ouvintes e principalmente pelo "departamento comercial". Seu programa vendia os horários com muita facilidade. Segundo alguns colegas de trabalho ele teria dito que acabaria com o romance naquele mesmo dia.

Foram mais de 24 horas de procura. Não apareceu em casa para a festa do filho, não chegou à rádio para o programa do dia seguinte. Algo de grave tinha acontecido.

Fiquei com rádio ligado por toda a madrugada aguardando notícias. Cheguei mais cedo do que de costume a Rádio Transamérica onde já trabalhava e soube pelo redator, que também trabalhava na Globo, a notícia que entraria para a história triste do rádio: Acharam o carro dele, um Passat Dacon, em frente ao motel Ébony perto da Rádio Globo Rio.

No enterro alguns teriam dito que se tratava de um pacto de morte de um casal apaixonado. Outros diziam que a amante teria matado o comunicador com uma dose de veneno no vinho que beberam.

O produtor e repórter Maurício Menezes descobriu que haviam feito uma reforma no hotel e não tiraram o cano de gás do apartamento. O cano que pensavam estar “fechado” conduziu o gás até a cobertura onde estava o casal.

Por outro lado, ninguém precisa ir ao motel e abrir uma garrafa de vinho para encerrar um relacionamento (como Waldir teria dito aos colegas da Rádio Globo). Maurício Menezes, muito ligado ao comunicador, descobriu o cano de gás esquecido e até hoje rejeita a ideia de pacto ou suicídio. Para ele foi uma fatalidade. "Quem conheceu o Waldir sabe que isso não aconteceria. Um absurdo pensar em suicídio".

A falta do comunicador Waldir Vieira abalou a programação da Rádio Globo, mas o que não imaginávamos eram as novas perdas que viriam.

Esse foi mais um pedaço do meu livro que coloco aqui pra quem se interessa pelo rádio moderno e ainda romântico. Se vc quiser ler o livro todo, deixe seu e-mail aqui nos comentários que entro em contato com vc.

Pode tambem me enviar um email para

jobim@escoladeradio.com.br

O RÁDIO ERA TÃO ROMÂNTICO

isbn: 9788578543105

idioma: Português

páginas: 172

ano de edição: 2014

edição: 1ª

0 visualização
  • Grey Instagram Icon
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Ícone
  • Grey YouTube Icon

@ruyjobim since 1964